BEBÊ MAMÃES REAIS MATERNIDADE

Desrespeito

29 de junho de 2018

Lendo o texto “Desculpa, O filho é meu” da Tatiana Moreno, me veio à cabeça algo que eu li, quando estudava o método Montessori, sobre respeitar as crianças. Fiquei pensando o quanto é difícil nos posicionarmos quando achamos que algo está sendo feito de maneira errada com nossos filhos por alguém próximo como tios e avós, por exemplo.

Eu já passei por várias situações em que pessoas estranhas, ou mesmo conhecidas, chegavam da rua ou estavam na rua e vinham pegar nas mãos do Pedro. Eu não conseguia falar nada, até que um dia, uma senhora, no mercado, depois de colocar as mãos em todas as partes disponíveis do corpo do Pedro, estendeu as mãos chamando-o para o colo. Eu fiquei tão nervosa, fui para o carro e prometi nunca mais ficar calada. Na primeira vez, depois disso que alguém tentou colocar a mão nele na rua, eu consegui falar não, mas, não consegui fazer a mesma coisa em diversas outras situações.

Queria saber o que nos paralisa? Temos medo de quê?

Me lembro que em algum vídeo da Flavia Melissa, no youtube, ela diz que fazemos inúmeras coisas contrariados, por medo de não sermos amados. Mães não deveriam sentir esse medo. Temos um serzinhos que nos ama muito; não deveríamos ter que nos preocupar com mais nada.

Nesses momentos, eu queria ter a rapidez e criatividade de respostas que a Fabiana Paganini tem mas, não tenho. Queria ter a franqueza da Estela Moraes mas, não tenho. Fico maquinando como vou responder, por exemplo, quando alguém achar que o Pedro tem obrigaçāo de ir no colo, de dar a mão ou um beijinho em quem quer que seja, se ele não quiser.  

Antes eu via isso como uma chatice da mãe, ou pior da criança. Hoje eu entendo que forçar uma criança a fazer coisas que ela não queira é desrespeito! Porque o fato de ela não querer beijar o vovô naquele dia ou momento, não significa desrespeito – não estamos aqui falando de coisas como falar ‘bom dia’, ‘boa tarde’ ou ‘pedir a benção’, isso se chama educação e deve ser ensinado através de exemplo.

Estamos falando de coisas que ninguém deveria fazer sem estar com vontade, muito menos uma criança. Forçar uma criança a ter contato físico com alguém que ela não queira, deixa uma mensagem de que ela não é dona do próprio corpo ou vontade, pior ainda quando vem acompanhado de frases como: Dá um beijo no vovô pra ele ficar feliz ou Seja bonzinho, dá um beijo na vovó.

Precisamos lembrar que somos fruto de uma cultura de aparências, mas, isso está mudando na era da internet. Por mais que ainda existam pessoas “montadas”, a autenticidade tem cada vez mais lugar no mundo moderno. Precisamos ensinar isso aos nossos filhos.

Quanto a mim, penso que preciso ser firme! Preciso defender os direitos do meu filho, e isso não fará dele uma criança chata e metida, fará dele, uma criança respeitada e que aprenderá a respeitar o outro.

Espero conseguir ser esse ‘pára raios’ de desrespeito.

Espero tantas coisas de mim, inclusive que eu seja capaz de fazer todas as coisas que eu quero, de dar todas as respostas que eu penso e de ser tão franca como as pessoas que eu admiro.

 

Dani Prado, 34 anos. Mãe do Pedro de 11 meses, artesã, apaixonada por livros, corridas e viagens.

You Might Also Like...

2 Comments

  • Reply
    Fernanda
    30 de junho de 2018 at 05:33

    Dani, sofro com essa paralisação também. Sabe que até hoje não gosto do beijo de algumas pessoas muito queridas por mim, porque não se contentam em beijar, prendem-me em um abraço apertado que me incomoda. Imagine a nossos pequenos …
    Qto a por a mão em bebês, fico super nervosa quando vou onde tem crianças maiores que cobrem a bebê no carrinho e a mãe não diz nadinha…
    Queria muito não paralisar.

    • Reply
      Daniela Prado Tomaz
      5 de julho de 2018 at 17:40

      Sabe Fer, as vezes acho que o que nos paralisa, é justamente o fato de termos sido obrigados a fazer muitas coisas que não queríamos quando criança. Registramos que o importante era ‘agradar” o outro e não fazer o queríamos…. Mas, penso que temos a cxhance de mudar isso com nossos filhos, dizendo á eles que podem sim, expressar sua vontade, não precisam fazer nada só para agradar quem quer que seja… Beijinhos.

Leave a Reply