MATERNIDADE

Quando achamos que nosso filho é gênio

13 de fevereiro de 2019

Me desculpem as mães que vivem se gabando do quão precoce, inteligente, fantástico e maravilhoso seu filho é, mas, eu acho que tudo isso mais atrapalha a criança do que a favorece. Como assim? Bom, vou tentar explicar porque já sei (e conheço mães) que já estão olhando torto para o que estou escrevendo e pensando assim: “Mas a minha filha é tudo isso sim! Ela é o ser mais iluminado que eu conheço! Diferenciada, sabe?” Tá… sei… só… para… você! Enfim, paciência.

“Ahhhhh Fabiana, então você está querendo dizer que minha filha(o) não é inteligente? Diferenciada?” Então amiga, olha, senta aqui, deixa eu te falar uma coisa. Primeiramente, o filho de todo mundoooooo é inteligente, iluminado e diferenciado. A diferença é que cada um tem uma mãe que enxerga isso no seu filho, percebe?

Eu vejo mães se preocupando e descabelando porque o dente da filha da vizinha já nasceu; porque a criança da Fulana andou com 7 meses de idade; porque com 1 ano e 3 meses, a menina já pedia para fazer cocô no vaso. Affffffffffff! Que canseira. Hoje penso que a Ana Clara vai ser pequenininha por tão pouco tempo que quero que ela possa ser, de fato, criança. Não quero sobrecarregá-la com minhas expectativas para o futuro porque pode ser que ela chegue lá na frente e diga: “Erraram! Eu só queria colo naquele dia!”

Vamos lá! Seu filho é sim especial, inteligente e único! (até porque é mesmo, né gente? Nem gêmeos são iguais uai!) No entanto, não acho que você precise enfatizar isso o tempo todo. A criança precisa sim saber que fez um bom trabalho, mas, não precisa ser algo do tipo: “Parabéns! (seguido de palmas efusivas) Que lindo! Você é muito inteligente e esperto! Nossa, nunca vi um caminhão tão lindo!” Acho que estaria de bom tamanho dizer: “Nossa filho, que desenho bonito. É o que mesmo? (até porque, sejamos honestas, a menos que seu filho seja a reencarnação do Picasso, não dá para entender nada do que eles desenham). Ficou bom!”

Acho que devemos economizar na excitação e nos vocábulos ‘excelente’, ‘muito’, ‘fantástico’. Não estou dizendo que um bom trabalho não merece ser elogiado, só estou dizendo que somos mães e sabemos que sempre diremos e faremos o possível e o impossível para que nossos filho se sintam bem, bem melhores do que se sentiriam no mundo real. Mas olha, eu só estou falando isso porque o reforço positivo tem que ser medido assim como o negativo.

Quando só criticamos ou colocamos mais erros do que acertos na atitude de alguém, certamente estamos minando qualquer vontade e quiçá processo criativo daquela pessoa. O problema de enfatizar demais positiva ou negativamente alguma situação, reside em não saber lidar com a frustração lá na frente. Uma criança que, independente do que faça, só recebe estímulo positivo, pode chegar à idade adulta acreditando que tudo o que ela faz é maravilhoso, que ela nunca erra; e isto interfere sobremaneira na forma como ela irá lidar com decepções e erros.

Uma criança que é repreendida (e não agredida) quando erra e é valorizada quando acerta, tende a crescer mais segura de si e capaz de enfrentar frustrações de modo mais saudável. Não estou dizendo para deixarem de elogiar seus filhos; só estou dizendo que acreditar que tudo o que ele faz merece ser elogiado e que quando ele faz algo errado não repreendê-lo, só irá fazer com que ele se sinta imbatível e invencível. E, cá entre nós, nós sabemos que não dá para ser assim o tempo todo.

Eu costumo dizer para os meus alunos de colegial que quando eles respondem uma questão dissertativa, eles devem voltar, fazer a leitura da questão novamente – porque quando pensamos, o fazemos mais rápido do que quando escrevemos – e fazer uma única pergunta: “Só eu e minha mãe entendemos o que está escrito aqui?” Se a resposta for sim, eles devem apagar e reescrever a resposta novamente. Eu termino dizendo que para as mães, tudo que o filho faz tende a ser lindo, ainda que seja apenas um monte de rabiscos que ele insiste em dizer que é um céu estrelado com uma estrada e um carro estilo SUV.

Elogie e critique na medida e saberá que está no caminho certo.

 

Fabiana Paganini de Andrade, mãe da ‘Anitita’ que insiste em dizer “Ahhhhhttttaaaa” quando ela diz que escreveu ANA CLARA no box do banheiro ao tomar banho.

You Might Also Like...

No Comments

    Leave a Reply